Monthly Archives: Outubro 2014

O Capítulo Mais Importante do Livro Mais Importante de Medicina Chinesa?

O “Cânone Interno do Imperador Amarelo” (黃帝內經 Huáng dì nèi jīng) nunca deixa de impressionar-nos.

O texto, com aproximadamente 2500 anos, está dividido em duas partes: “As Perguntas Elementares” e “O Eixo do Espírito“, cada uma destas partes possui 81 capítulos. O estilo de escrita deste livro segue a forma tradicional de pergunta e resposta.

O “Cânone Interno do Imperador Amarelo” é considerado o texto mais importante da Medicina Chinesa, e um rico contentor dos princípios da Medicina Chinesa. Durante milénios foi o pilar central do estudo desta disciplina e ainda hoje é um texto de estudo obrigatório nas universidades de Medicina Chinesa na China.

Ao começar a leitura da secção “As Perguntas Elementares”, somos confrontados com o primeiro capítulo chamado “Discussão do Céu e do Genuíno na Antiguidade Remota” (上古天真論 Shàng gǔ tiān zhēn lùn), que também podemos traduzir como “Discussão do Genuíno e da Natureza na Antiguidade Remota”.

O texto começa com uma pergunta do Imperador Amarelo. Uma pergunta tão atual que facilmente poderia ser feita hoje a um especialista em saúde:

“ [O Imperador] perguntou ao Mestre Celestial: ouvi que na antiguidade remota as primaveras e os outonos das pessoas ultrapassavam os cem anos, sem declínio nas suas atividades. Na atualidade as pessoas declinam em todas as suas atividades na metade dos cem anos. A geração atual é diferente? Ou é uma falta na conduta das pessoas?”

O sábio Mestre Daoísta (Taoísta) Qí Bó entrega uma resposta que resume os princípios para alcançar a longevidade, mas também explica a razão do declínio prematuro nas pessoas:

“Qí Bó respondeu: as pessoas da antiguidade remota, conheciam o Caminho (Dào), os princípios de yin e yáng e estavam em harmonia com as artes dos números. Comiam e bebiam com restrições. Eram regulares nas suas vidas diárias. Não trabalhavam absurdamente até o esgotamento, por esta razão podiam [manter] os corpos e os espíritos completos, usando totalmente os seus anos [entregues pelo] céu, estimando-os em mais de cem.

As pessoas da atualidade não são assim. [Para eles] o álcool é como xarope. O absurdo é o regular e entram nas suas recâmaras bêbados, esgotando a suas essências pelo desejo, consumindo e dispersando assim o [qì] genuíno. Desconhecem como manter-se plenos e não guiam os seus espíritos oportunamente, satisfazem rapidamente [os desejos] das suas mentes, contrariando uma vida feliz. As suas vidas diárias carecem de regularidade, por esta razão declinam na metade dos cem anos.

Os ensinamentos dos sábios da antiguidade remota, sempre referiram evitar oportunamente o vazio perverso e o vento pernicioso, e a acalmar placidamente no vazio, para que o qì genuíno seguindo [este estado] guardasse no interior a essência e o espírito. Como [poderão] chegar as doenças assim?

Se a mente se mantém desocupada e com poucos desejos, o coração estará em paz e sem temores. Se há trabalho físico, mas sem esgotamento, o qì seguirá em concordância e cada um dos desejos que se seguem, poderão ser alcançados. Por esta razão estar-se-á satisfeito com os alimentos, não se importará com as suas roupas e contentar-se-á com o simples, sem se impressionar com as altas ou baixas aparências [sociais] e por conseguinte as pessoas chamar-lhe-ão simples (natural). Não serão capazes de esgotar os seus olhos com vícios e desejos, e a obscenidade perversa não poderá perturbar as suas mentes. O estúpido e o sábio, o virtuoso e o não virtuoso não temerão nada, devido a estarem unidos no Caminho (Dào). Por conseguinte a sua idade poderá contar-se em cem anos sem declínio nas suas atividades e as suas virtudes serão completas e sem perigos.”

O texto continua, mas não me canso de ler e reler esta parte, nem de surpreender-me de como a humanidade, com os seus temores e desejos, mudou tão pouco em mais de vinte séculos… nem parece que foi escrito há mais de 2000 anos!

Traduzi-o e quis partilhar convosco.

//

Anúncios

Doenças no Aspeto do Qì e do Sangue

Hoje “causalmente” cheguei a esta página do livro “Perguntas e Respostas sobre Agulhas (acupuntura) e Moxabustão” (Zhēn jiǔ wèn duì).

Gosto da forma como o médico Zhù Jī  注機 (autor do texto) da dinastia Ming, explica a acupuntura. A forma como questiona as eternas dúvidas do acupuntor e como tenta responder apoiando-se na sua compreensão dos Cânones.

Em relação à diversidade na interpretação da aplicação da acupunctura clássica, sempre concordaremos e discordaremos em alguns pontos. No entanto, acho que ouvir diferentes opiniões em relação a um mesmo tema, em quanto estudamos as “fontes originais” é um exercício extremamente saudável e nutritivo, que nos mantém flexíveis.

Nesta pergunta e resposta, a forma tradicional de aprendizagem, o médico  Zhù Jī discute as diferencias nas doenças relacionadas com o qì e com o sangue, exemplificando 2 tipos de doenças.

Começa com as “acumulações e massas” (積塊 jī kuài), como exemplo da expressão nas doenças internas quando o problema está associado ao qì e ao sangue.

Também se exemplifica através das “doenças de vento” (病風 bìng fēng) ou doença de “obstrução” (痺 ), como o representante das doenças no yang.

Finalmente, o texto explica o método de tratamento para cada caso.

Espero que desfrutem:

Alguns dizem: existem as doenças que estão no aspeto do qì e as que estão no aspeto do sangue. Desconheço se os especialistas em agulhas também [aplicam] a divisão [dos aspetos] do qì e do sangue?

Resposta: os especialistas em agulhas também deveriam conhecer os aspetos do qì e do sangue das doenças.

Quando a doença está no aspeto do qì, [os sintomas da doença] possuem movimentos indefinidos. Quando a doença está no aspeto do sangue [os sintomas da doença] são profundos, fixos, sem se deslocarem.

Se falamos nas acumulações e massas, se sobem ou descem dentro do abdómen, ou se estão e [alternadamente] não estão, então são [doenças] do aspeto do qì. Se estão em ambas regiões costais inferiores (hipocôndrios), ou debaixo do coração, ou acima, debaixo, a esquerda ou direita do umbigo, fixas e sem se deslocarem, crescem gradualmente, então são [doenças] da divisão do sangue.

Se falamos nas doenças por vento, se [os sintomas da doença] estão no pé esquerdo, deslocando-se para o pé direito, ou se [os sintomas da doença] estão na mão direita, deslocando-se para a mão esquerda e o movimento é irregular, então são do aspeto do qì. Se regularmente [os sintomas da doença] estão no pé esquerdo ou a tendência [para o aparecimento dos sintomas] está na mão direita, sendo fixos e sem se movimentarem, então são do aspeto do sangue.

As doenças são sempre assim. Deve saber que se a doença no aspeto do qì está no superior, então deve selecionar o inferior [para tratar] e se a doença está no inferior, então deve selecionar o superior [para tratar]. Se [a doença] está na esquerda, selecione a direita e se está na direita selecione a esquerda. Se está no aspeto do sangue, de acordo com o local do sangue, selecione em resposta à doença.

Se na doença do sangue descuidadamente drena o qì ou se na doença do qì drena o sangue, será o que chamamos “castigar e atacar o carente de excesso”, [neste caso] a quem deverá retornar o castigo?”

O que acharam?

Até breve!

* Para os estudantes de língua chinesa: a imagem acima contém o texto da pergunta e resposta em chinês.